You that feel solitude as only belonging to you
let the time goes by
cause there are more persons who love non-existent silences
slow coming dawns to whom don't want wake up
thoughts that stay by night
alone
without moonlight
and there also are more persons who want to realize moments
desire of fresh water
manure' smell in fields.

You that feel solitude as only belonging to you
let the stream flow
wake up by dawn
your thoughts are poems in our nights
alone
without moonlight.

Tu que tens solidão que julgas ser só tua
deixa correr o tempo
pois há mais quem ame silêncios que não existem
madrugadas de mansinho para quem não quer acordar
pensamentos que persistem nas noites
sós
sem luar
e também há mais quem queira momentos apercebidos
desejos de água fresca
cheiro a estrume no campo.

Tu que tens solidão que julgas ser só tua
deixa o ragato correr
acorda de madrugada
teus pensamentos são poemas em nossas noites
sós
sem luar.

In "Manual do Desperdício", Ceres Editora, 1994