Aurelio Pinto

Aurelio Pinto

Posted on 08/16/2009


Video filmed on the August 16, 2009



Authorizations, license

Visible by: Everyone
All rights reserved

667 visits

Eu nunca serei po port editado


Comments
Neide Barros Rego
Neide Barros Rego
Agradeço ao Aurélio Pinto por disponibilizar a homenagem do declamador André Varella ao nosso querido e inesquecível Sylla Chaves. Tenho a satisfação de disponibilizar o texto que está publicado na antologia "Poesias Escolhidas do BRAZILA ESPERANTA PARNASO" (binlingue).

EU NUNCA SEREI PÓ
Autora: Alda Pereira Pinto

Eu nunca serei pó
porque sou alma.
Sou espírito e em pó não me farei;
morrerá o meu corpo e pouco importa
que vire pó a minha carne morta
se desta carne, livre, evolarei.

Eu nunca serei pó
porque sou alma !
A alma é luz, seja a luz negra ou dourada,
e luz não se rebaixa às sepulturas,
podendo ter seu brilho nas alturas,
ou mesmo lá num caos, abandonada.

Eu nunca serei pó
porque sou alma.
A carne é roupa, indumentária apenas
com que Deus veste qualquer ser etéreo
só para realizar do seu mistério
tantas e estranhas transações terrenas.

Eu nunca serei pó
porque sou alma.
Se a carne acaba no feral abismo
dessa soturna deusa de destroços
chamada Morte, vã silhueta de ossos,
a alma não na recebe em seu batismo.

Eu nunca serei pó
porque sou alma.
Sou poesia, amor, adoro a vida
e brilharei na música ou no verso
entre as estrelas claras do universo
quando da carne me encontrar despida.
8 years ago.