Água Escondida

Água Escondida

Posted on 04/03/2011


Photo taken on April  3, 2011


See also...


Keywords

Niterói
Neide Barros Rêgo
Água Escondida
Poesias
O Moa
Moacyr Sacramento
O moço
Antologia poética
Conservatória
Valença


Authorizations, license

Visible by: Everyone
All rights reserved

855 visits

Moacyr Sacramento, O Moa

Moacyr Sacramento, O Moa
MOACYR José de Oliveira SACRAMENTO – o Moa (Valença, RJ, 8 jan. 1945). Odontólogo. Das Academias: Paulofrontinense e Valenciana de Letras. Cidadão Honorário de Niterói, de Paulo de Frontin (RJ) e de Nova Prata (RS). Poeta premiado. Realizou recitais e palestras em várias cidades brasileiras. Trabalhos publicados em jornais e revistas. Orienta oficinas de texto e voz na Universidade da Terceira Idade e na Casa do Poeta Niteroiense, que fundou e dirige. Promove concursos de poesia. Colabora no Jornal da UNIVERTI. Publicou: Juntos; Converso com Verso, poesia; Pra lá das Estrelas, haicais.
Participante da antologia Água Escondida (1994).

Comments
Água Escondida
Água Escondida
O MOÇO

Moacyr Sacramento

Não me perguntem quantos anos tenho;
e sim,
quantas cartas mandei e recebi.
Se mais jovem, se mais velho... o que importa,
se ainda sou um fervilhar de sonhos,
se não carrego o fardo da esperança morta?

Não me perguntem quantos anos tenho;
e sim,
quantos beijos troquei – Beijos de amor!
Se a juventude em mim ainda é festa,
se aproveito de tudo a cada instante
e se eu bebo da taça gota a gota...
Ora! Então pouco se me dá que gota resta!

Não me perguntem quantos anos tenho
mas...
queiram saber de mim se criei filhos,
queiram saber de mim que obras eu fiz,
queiram saber de mim que amigos tenho
e se a alguém pude eu tornar feliz.

Não me perguntem quantos anos tenho
mas...
queiram saber de mim que livros li,
queiram saber de mim por onde andei;
queiram saber de mim quantas histórias,
quantos versos ouvi, quantos cantei.

E assim, somente assim, todos vocês,
por mais brancos que estejam meus cabelos,
por mais rugas que vejam no meu rosto,
terão vontade de chamar-me: O Moço!
E ao me verem passar aqui... ali...
não saberão ao certo minha idade
mas saberão, por certo, que eu vivi!

Página 191 da antologia Água Escondida (1994), de Neide Barros Rêgo
6 years ago.