Ao mais pequeno sinal e gesto



Como um entalhe cristalino
encontro sob céu amplo e pródigo
nhá estrela

- tudo o que sonho nela me constrói
e já vivi
permanece,

E para lá do irreconhecível mundo das esferas, e preces
e sinas minhas
meus olhos, pés e mãos como que encenam -

dançam, se encantam ali.

Na ancestral completude das minhas auroras estelares
aonde me posicionam
sempre, acordadas
vivas
sempre, serão
as minhas experiências,

Dos meus prévios e ternos enamoramentos, mil outras histórias
[em mim]
se completarão...
pois que desse manto estelar
e febril
nada me faltará

- nada mais nada menos -
acabam por acontecer
entre tácitos e claros efeitos, me rejuvenescem.

Ante foco e sorte mais além
brilha intensa e morosa
no desconexo complexo do meu universo
por mim falará -
dentre poeiras cósmicas não morrerá,

E assim, os meus olhos
no pleno cálice dos seus segredos destilados
irmanados, uníssono
- colo a colo -
adormecessem


[E/terno o agradecimento.




Dedicado______________a minha filha, Beatriz Martins