Raquel, expões bem a situação mas admito que não percebi a parte de "uma afirmação que sem Deus nada existe"; depois, segundo a religião, Deus é castigador, pelo menos em grande parte das mesmas, ao longo do tempo sempre torturar quem duvida-se de sí e embora hoje não seja tanto assim, mas continua-se a transmitir pelos teólogos e mentores da religião um certo sentimento de culpa e sobretudo "pecado" por quem duvide dos mandamentos de determinada religião. Aliás, o ateísmo pode ser aplicado a qualquer pessoa, porque repara que uma pessoa que seja por exemplo budista será ateia aos olhos do islamismo por esta não acreditar no respectivo Deus. Depois, em relação ao alimento espiritual, sim, também acho que o ser humano precise do dito alimento espiritual ou psicológico mas acho que isso não implica necessariamente qualquer tipo de crença em seres superiores, há, por exemplo a música, a arte, a poesia e até a própria procura por conhecimentos diversos que nos levem aumentar a nossa sabedoria, que mais enche o espírito que isso? Além disso, a fé é subjectiva, não temos de separar a fé ou a força de acreditar em algo da ciência, a fé pode estar implícita na ciência, a fé pode mover montanhas porque nós acreditamos nisso, mas elas só se mexerão, de facto, se nós fizermos algo mais do que acreditar nisso, não te esqueças que sem ciência não haveriam montanhas nem nomeadamente pessoas para terem fé.
Mas mais à frente do referes a interligação entre o segmento espiritual e a ciência e portanto lá está, a partir disso posso dizer que quer a explicação seja científica ou espiritual, esse nosso juízo provém da ciência e esta não precisa que se acredite nela para que exista, nós é que precisamos dela para existir. O espírito vem com a nossa concepção humana.
Ao afirmares que cada um é livre de escolher, entramos no campo do livre arbítrio e sendo assim, parece-me que embora sejamos livres de escolher, as nossas escolhas não são livres, estas são sempre influenciadas ou pela Natureza da sociedade em que vivemos (persuasão mental) ou pela inevitabilidade física.
Claro que não precisamos unicamente da ciência para vivermos tranquilos, como já disse, é, neste sentido, irrelevante se damos importância à ciência ou não, o que acontece é que sem darmos por isso vamos vivendo segundo está determinado pelas leis Universais, e acontece que estas leis estão envolvidas em grandes mistérios e a quem caberá senão aos humanos investigar esses mistérios, nada dá mais bem estar à Natureza humana do que tentar descobrir; adquirir mais e mais conhecimentos para que deixemos de precisar de crenças que nos aparentemente nos conforte. Não quero com isto dizer que as crenças e ter fé sejam desvantajosas para o desenvolvimento humano (excepto quando realmente o são), quero antes dizer que está realmente à escolha de cada um de nós em que acreditar, sejamos influenciados ou não, cada um tem a sua precepção de bem estar. De acordo? (espero bem que não para que eu possa continuar a contra-argumentar-te à grande ;) xD )