Concede ao elogio o seu valor
Põe de parte o teu preconceito
Não desdenhas do que desconheces
Mostra ao mundo do que és realmente feito.
És igual ao próximo
E o próximo é-te diferente
Pode-te parecer um pouco paradoxo
Mas isto é a Verdade que ninguém entende!
Proferes e não escondes tais desprezos
E repulsas sem razão,
Sê melhor do que pensas
Que os outros que tanto odeias são.
Dá asas
E abre portas para o teu coração.
Fecha os olhos por uma única vez.
Abona á cegueira uma virtude
De poder amar alguém sem a ver.
Talvez te aconteceria algo milagroso por não possuíres de visão…
Aí, verias a alma em vez da cultura, preferências ou da cor
E dar-me-ias razão.
Livra-te desse preconceito
Que tanto alimentas em teu ser
Não alargues tal ignorância dentro de ti
Dá razões de orgulho de o mundo te conceber
Uma vida de oportunidades para voltar atrás, sem fim…

Autoria de: Márcia Wergikosky 2008