Desde o inicio do seu desenvolvimento/ evolução que o Homem se mostra como um ser altamente dotado em, tanto como a se adaptar, como, também, a transformar o mundo que o rodeia. Com a inteligência, que maior em outros seres não se conhece (até à data), o ser humano tende a inventar e a aprender novas maneiras de lidar com o mundo em que se encontra. Devido à prática desta impressionante capacidade, o Homem sentiu, desde cedo, necessidade de ter coordenação e de cooperação entre os elementos da sua espécie. Assim, foi atendida essa necessidade com a criação e utilização de linguagens complexas (escrita, pintura, etc.), e com um “novo mundo”, um mundo “construído” por esta brilhante raça, a partir do nada; tal mundo que se poderá caracterizar pela sua actividade inter-humana (construção de casas, cultivo de alimentos, transportes, desenvolvimento de dotes medicinais, fabricação de ferramentas para facilitar a mão-de-obra, etc.)

<< Os seres humanos organizam sociedades e criam cultura.>>


Então, referindo ao conceito de cultura, na perspectiva antropológica, poderemos citar Edward B. Taylor, quando a define:
“…a totalidade dos conhecimentos, das crenças, das artes, dos valores, leis, costumes e de todas as outras capacidades e hábitos adquiridos pelo homem enquanto membro da sociedade.”


  • A partir desta cita, a cultura pode ser interpretada como o conjunto de elementos que uma pessoa aprende ao longo da sua vida, e estes elementos variam desde a língua à religião, passando pela arte e pelo modo de ver o mundo; todos os padrões de comportamento que uma pessoa aprende.
  • Pessoalmente, creio que não se deverá recorrer ao conceito, em questão, no singular, mas sim no plural. Passo, então, a justificar-me:
A cultura humana alterna de épocas e momentos históricos, de lugar para lugar, de povo para povo e, talvez, de família para família (isto se, se incluir as tradições e crenças), logo, deparamo-nos com diversas culturas, e não uma cultura apenas.



  • A diversidade de culturas deve-se, também, devido a certos elementos que faz cada cultura adquirir especificidades próprias, tornando-as genuínas. Estes elementos são, por exemplo: diferentes habitats, criações e desenvolvimentos próprios de “povo” para “povo”, contactos com outras culturas (globalização), etc.



Márcia Wergikosky

2008