AS MENTIRAS


As mentiras juncavam o chão das ruas
que os homens pisavam no conforto
trivial do seu pequeno e cinzento quotidiano

As mentiras forravam as paredes das casas
e adoçavam os sons das palavras
que os homens trocavam no conforto
trivial do seu pequeno e cinzento quotidiano

As mentiras reberveravam a luz dos vitrais
das capelas e das igrejas que iluminava
o caminho dos crentes no conforto
trivial do seu pequeno e cinzento quotidiano

As mentiras eram a lei e a ordem,
eram o texto e o contexto,
eram a vida e a morte
e as promessas de outras vidas

Mas as mentiras, de tanto mentirem,
trocaram-se-lhe os pés, perderam o norte,
e as honestas e francas mentiras
passaram a verdades, brancas e cruas,
que os homens rejeitaram no conforto
trivial do seu pequeno e cinzento quotidiano