OLHARES
O olhar fugaz mas intenso
que se cruzou entre aqueles dois passageiros
da carreira 27 revelava uma atração invulgar
que fulminava as fronteiras da relação
de proximidade ocasional.


A imagem daquele certain regard
repescada de um romance de cordel
seria uma centelha elétrica de amor
que teria saltado, irreverente, do fogo de uma paixão
instantânea e incontida.


Felizmente que essas paixões
de geração espontânea não passam de caricaturas
nos caminhos da liberdade poética,
próprias de românticos inveterados
(e certamente piscianos).


Sempre pensei que foi o amor
que criou Deus e não o contrário,
já que o amor escreve torto por linhas direitas,
ao invés da tese divina prevalecente.


Mas nestes tempos de desamor universal,
nestes tempos de palavras sem sentido
e de contas sem resultado plausível,
qualquer sinal de reconhecimento da existência do próximo,
qualquer sorriso envergonhado
é presente dos deuses,
tão profunda é a carência dos homens.