O Esperanto é uma língua internacional falada por milhões de pessoas em todos os continentes. Sua primeira gramática foi publicada na Polônia, em 1887, pelo Dr. Lázaro Luiz Zamenhof.
Existem 'no mundo cerca de 3.000 línguas e dialetos, o que causa grandes obstáculos para a comunicação. O progresso das ciências, o desenvolvimento de técnicas, a necessária democratização dos meios de comunicação tornam urgente a adoção de uma língua internacional acessível a todos os povos.
A dificuldade em se adotar uma língua nacional, é que elas são cheias de exceções e irregularidades, exigindo longos e penosos anos de estudo. Pela prática, sabe-se que conhecer uma língua para simples leitura é diferente de dominá-la para uma palestra ou conversação. Muitos acham que o Inglês é a língua internacional, devido a influência econômica dos EUA. Daí o inglês ter tanto prestígio no ocidente. Mas em outras regiões é diferente: a língua mais falada no mundo é o chinês, no leste europeu usa-se o russo; o árabe é utilizado no Norte da África e o espanhol é falado em quase toda a América. O Esperanto é a única língua que reúne todas as qualidades necessárias para desempenhar esse papel, pois foi criada especialmente para isso.
Mas, não é objetivo do Esperanto substituir as línguas nacionais, porém servir de segunda língua comum a todos para tratar dos problemas mundiais e para os tratados pessoais. Na verdade como o Esperanto não representa o Imperialismo cultural, econômico ou político de nenhuma nação sobre as outras, ele atua como um fator de preservação da cultura e da soberania dos povos.
O Esperanto NÃO está ligado a NENHUMA RELIGIÃO. É apenas uma língua e, como tal, todos têm o direito de usá-lo para o fim que quiserem.
Por ser fonético e extremamente simples, qualquer pessoa pode aprender Esperanto num tempo muito mais curto do que precisaria para aprender qualquer outro idioma. Em alguns meses a pessoa pode ler, escrever e entender o que é falado com outros esperantistas. Depois de três ou quatro meses de aprendizado, a pessoa está apta a corresponder-se com esperantistas de todo o mundo. A correspondência é um dos tantos prazeres que o Esperanto proporciona.
Ao viajar para outro país, se você falar Esperanto, poderá contatar um esperantista na cidade para onde irá, e pode ter certeza de que receberá toda ajuda possível. Encontrará pessoas com interesses iguais aos seus, pessoas que não são estrangeiras porque a língua deles é a sua: o Esperanto.
Quanto à literatura esperantista, há cerca de 100 jornais e revistas em Esperanto sobre temas como: medicina, direito, ecologia, lingüística, feminismo e tantos outros. A Divina Comédia, Dom Quixote, os Lusíadas, são algumas das obras primas traduzidas para o Esperanto, além de obras de Shakespeare, Baudelaire, Goethe, Púshkin, Jorge Amado, Confúcio, Tagore, Lorca e muitos outros. Existem também inúmeras traduções de línguas menos conhecidas como o búlgaro, o tcheco, finlandês, húngaro, catalão, vietnamita...
Todo ano é realizado o Congresso Mundial de Esperanto, onde cerca de 2000 mil pessoas de 40 à 50 países, todas falando o Esperanto, se reúnem para tratar dos mais variados assuntos. Regularmente se realizam conferencias e encontros internacionais de cientistas, médicos, ferroviários, jovens. No Brasil, ocorre todo ano o Congresso Brasileiro de Esperanto. No comércio o Esperanto é cada vez mais utilizado por importantes companhias como a Fiat, a Philips, feiras internacionais e linhas aéreas como a KLM, a LOT, Swissair, Air France e outras. Existem milhares de prospectos e guias turísticos em Esperanto.