I wait the mildness of a quite night

for my pain fall asleep in the space's cradle

I may yawn before an opera of stars

the music is always the same celestial chorus

dumb

virtual

the space

immense

fits light-years of distance

and my pain

strident

real

so small that fits inside me

waits the mildness of a quite night

to fall asleep

in the space's cradle.


Espero a brandura de uma noite calma

que adormeça minha dor no berço do espaço

uma ópera de astros me fará bocejar

a música é sempre o mesmo coro celestial

mudo

virtual

o espaço

imenso

cabe a anos-luz de distância

e a minha dor

estridente

real

tão pequena que cabe dentro de mim

espera a brandura de uma noite calma

para adormecer

no berço do espaço.


by Armando TABORDA, in "Sinfonia em Dor Menor", Edição da Escola de Mar, 2007


(article 1st edition, 2007; 2nd edition, 2016)

(photograph by NASA Apix; edited by Armando TABORDA)