Já vi castelos na areia a desafiarem o mar
Eu já vi o Universo.. mas não me contento
E nunca vi uma paixão como a que guardo cá dentro

Não quero mais ter sorte
Só quero é viver e crescer para ser forte

Eu já pensei como seria e partilhei a conclusão
Já depositei confiança e levantei desilusão
Nunca falei, mas fui falado, já calei sem ser calado
E de cada etapa destes anos, hoje sou o resultado
Já venci, já falhei, já fui o melhor e o pior
Mas sempre honesto e verdadeiro com humildade e suor
Já vi o bem e o mal a conspirarem em segredo
Numa ameaça que disfarça, mas que não oculta o medo
Já conheci a melhor pessoa que esta vida me entregou
E nem a morte que me desejaram até hoje me afastou

Porque mais que inspiração, és atenção e ternura
Presença que me acalma, luz que brilha numa rua escura
Tecla no piano.. que me soa tão bem
Como te conheço a ti.. não conheço ninguém
Basta uma miragem e já consigo acreditar
A tua presença deixa-me com o olhar a brilhar
Todo o calor recebido mais parece um vento frio
Só de pensar no teu olhar o que sinto é um arrepio
Eu nunca disse adeus, mas já te vi partir
Eu já te fiz chorar, mas quero-te ver a sorrir

É imenso.. o tempo que passou por mim
É intenso.. aquilo que contigo vivi
As cortinas são as grades e o meu quarto a prisão
O branco do tecto é prenúncio de solidão
És mais que cor intensa que me ofusca ao acordar
Positivo e negativo que põe o mundo a girar