Não há nada que nos impeça de viajar… não há paredes, não há escuro, não há vazio, basta apenas sonhar...ir ao ínfimo dos nosso sentidos e aí despertar a nossa imaginação e seguir por aí sem limites…

Por outro lado, mesmo que o homem não sonhe, é um constante viajante nesta viagem que se chama Vida! Viajamos tanto que nem nos apercebemos do quão importante é essa descoberta. Há tanto por percorrer..! Há tanta coisa que queremos encontrar, há tanta coisa que queremos sentir … no fundo tudo é viajar! Primeiro começamos por viajar dentro de nós, a partir do momento em que fazemos a nossa auto descoberta que dura até deixarmos de existir: Aquilo que gostamos, aquilo que não gostamos, como “funcionamos”…são pequenas viagens dentro do nosso inconsciente.

Como poderíamos nós viajar sem viajarmos por dentro? Sem nos conhecermos... De facto, atrevo-me a dizer que talvez possamos. Olho à minha volta e pergunto-me: será que todos conhecem o seu verdadeiro «Eu»?? Serão felizes?? A auto descoberta passa também e essencialmente pela capacidade de lutar pelo que nos concretiza, aquilo que nos faz falta para sermos, não perfeitos, mas felizes. Ou teremos nós de ser perfeitos para sermos felizes? Se assim fosse, duvido que algum ser humano conseguisse alcançar a felicidade plena, uma vez que para mim, a perfeição humana não existe. E seria feliz aquele que fosse perfeito? O que é a perfeição?

A Vida é uma contínua aprendizagem, que é a nossa grande viagem. Temos o poder de viajar a nível físico e psicológico. Sim, aí viajar também é uma descoberta! Paisagens, culturas, o novo e o belo, fazem as delícias de muitos. O Homem procura aquilo que o realiza, aquilo que lhe propõe prazer. Mais uma vez : em busca da felicidade, que todos, de uma maneira ou de outra procuram alcançar!

E porque não juntar os dois? O físico e o psicológico! Para além de existirmos temos a capacidade de imaginar. Porque havemos nós de nos restringirmos a apenas uma maneira de viajar? Pois estes dois podem completar-se! De que serve estar numa praia paradisíaca se não há qualquer motivação para tal?.. O Homem deve aproveitar o seu intelecto, a sua racionalidade para idealizar as suas viagens, ou seja, usar a imaginação para ir ao encontro daquilo que o faz feliz… como tudo na vida…