Estimata samideano:

Morgaŭ, la 26-an de Julio, ni festos la 126-an datrevenon de Esperanto. Jen trafa momento por diskonigi E-on pere de la portugallingvaj gazetoj. Tiucele mi preparis la ĉi-suban tekston por ke vi transsendu ĝin al viaj lokaj gazetoj. Sufiĉas nur ke vi viŝu ĉi tiun E-an tekston kaj alsendu la ceteron al la gazetaro. Mi deziras al vi SUKCESON! Al la laboro!!!
Amike,
Aloísio Sartorato

========================================================================================================

Prezados:

Amanhã, 26 de julho de 2013, a língua internacional planejada ESPERANTO completa 126 anos de existência. Idealizada por L.L.Zamenhof, encontra-se espalhada pelo mundo inteiro com centenas de milhares de adeptos em mais de 100 países dos cinco continentes.

Num mundo onde existe mais de seis mil idiomas, o esperanto tem como finalidade ser uma segunda língua de cada povo para comunicação transnacional, possuindo as seguintes características: alfabeto fonético (cada letra = um som), gramática simples e regular, vocabulário internacional baseado nos principais idiomas contemporâneos e sistema regular de formação de novas palavras pelo simples acréscimo de afixos. Com tais características, pode ser aprendida em poucos meses por pessoas de inteligência mediana.

Como qualquer idioma, pode ser usado em contatos pessoais ou na correspondência internacional, seja através de cartas ou através de mensagens via internet. Além disso, pode ser utilizado para a leitura da vasta literatura já publicada, constituida de dezenas de milhares de títulos, ou então, para a leitura de alguns dos seus mais de cem periódicos, que são publicados regularmente sobre os mais variados assuntos. Pode também ainda ser usado como veículo de comunicação entre os participantes de encontros ou congressos, de nível internacional, (mais de 100), que ocorrem no decorrer do ano. Ou na audição diária de programas de rádio. E, caso a pessoa desejar viajar ao redor do mundo, falando uma única língua e sem gastar um tostão de hospedagem, basta apenas aderir ao programa "Pasporto", sistema de hospedagem gratuita em casas de esperantistas.

Por todos esses predicados, sou de opinião que o assunto mereceria ser tema de uma reportagem num dos próximos números de seu periódico. Que tal a ideia?

Cordialmente,
Aloísio Sartorato
Delegado da
Associação Universal de Esperanto para a cidade do
Rio de Janeiro, Brasil