Maria Percheiro's articles


Mulheres que fizeram historia - Joana d'Arc (em francês: Jeanne d'Arc; Domrémy-la-Pucelle, 6 de janeiro de 1412 — Ruão, 30 de maio d… - October 24, 2013


Mulheres que ficaram na historia - October 23, 2013


As Gazelas - Gazela é o nome vulgar dado aos mamíferos bovídeos do género Gazella. O grupo reúne pequenos antílop… - October 23, 2013


See all articles...

Authorizations, license

Visible by: Everyone (public).
All rights reserved
83 visits

Mulheres que ficaram na historia



Marie Slodowska-Curie dentre as mulheres que fizeram Ciências talvez seja a mais conhecida, principalmente por seus muitos "primeiros". Foi a primeira a utilizar o termo radioatividade, a primeira mulher a receber o título de Doutora em Ciências na Europa.

Marie Slodowska-Curie (nasceu em Varsóvia, na Polônia, 7 de novembro de 1867) foi uma das primeiras mulheres cientistas a ganhar fama no mundo, e certamente, uma das grandes cientistas deste século. Graduou-se em matemática e física. Ganhadora de dois prêmios Nobel, de Física em 1903 e de Química em 1911, foi pioneira em estudos com o Radio e o Polônio contribuindo profundamente na compreensão do radioatividade.

Foi a primeira mulher a ganhar um prêmio Nobel de Física (1903), pela descoberta da Radioatividade, conjuntamente com Pierre Curie (seu marido) e Henri Becquerel. Foi também a primeira mulher a lecionar, como professora e líder de grupo em laboratório na Universidade de Sorbonne em Paris (1906). Ganhou um segundo prêmio Nobel de Química (1911), por suas descobertas e isolamento do Rádio puro e de seus compostos. Sendo assim, a primeira pessoa a receber dois prêmios Nobel. Recebeu 15 medalhas de ouro, 19 graus, e muitas outras honras.

Foi também a primeira mãe de uma ganhadora do premio Nobel, que também tinha ganhado o mesmo prêmio. Sua filha mais velha Irene Joliot-Curie ganhou um prêmio Nobel de Química (1935). É a primeira mulher sepultada sob a abóbada do Pantheon em Paris por seus próprios méritos.

Um pouco de sua vida e trajetória na Ciência

Marie Slodowska foi a caçula e quinta filha do casal Bronsilawa Boguska (pianista, cantora, e professora) e Wladyslaw Sklodowski, (professor de matemática e física). Desde a infncia era notável por sua memória, aos 16 anos ganhou uma medalha de ouro na conclusão de sua instrução secundária no Liceu Russo.


Marie trabalhando em seu laboratório

Marie Sklodowska foi a Paris (1891) e começou a seguir as aulas de Paul Appel, Gabriel Lippmann, e Edmond Bouty na Sorbonne. Encontrou-se com físicos que eram já conhecidos - Jean Perrin, Charles Maurain, e Aimé Cotton. Marie Sklodowska trabalhava durante a noite em seu simples quarto de estudante e literalmente viveu de pão com manteiga e chá. Primeiramente licenciou-se em Ciências Físicas (1893), começou a trabalhar no laboratório de pesquisa de Lippmann. Em 1894 licenciou-se em Ciências Matemáticas, Foi na Primavera do mesmo ano que conheceu Pierre Curie.

Sua união (25 de julho de 1895) marcou o começo de uma parceria que alcançou resultados significantes para o mundo, em particular a descoberta do Polônio (assim denominado por Maria em homenagem à Polônia) no verão de 1898, e alguns meses mais tarde do Radio. Depois da descoberta de Henri Becquerel (1896) de um fenômeno novo (que chamou mais tarde radioatividade), Marie Curie, procurando um assunto para uma tese, decidiu-se pesquisar se a propriedade descoberta no Urnio seria encontrada em outra matéria. Descobriu que sua proposição era verdadeira para o Tório ao mesmo tempo que G.C. Schmidt .

Interessada nos minerais, sua atenção foi direcionada para a pech-blenda, um mineral cuja a atividade, superior àquela do urnio puro, poderia somente ser explicada pela presença no minério de quantidades pequenas de uma substncia desconhecida da atividade muito elevada. Pierre Curie juntou-se a Marie então no trabalho que tinha empreendido para resolver este problema. Este trabalho os conduziu à descoberta de novos elementos, Polônio e Radio. Enquanto Pierre Curie se dedicou principalmente ao estudo físico das novas radiações, Marie empenhou-se em obter o Radio puro conseguido com a ajuda do químico A. Debierne, uma dos pupilos de Pierre Curie. Como resultado destes trabalhos Maria Curie recebeu seu Doutorado em Ciências em junho 1903 e, com Pierre, foi concedido a medalha de Davy da Royal Society. Também em 1903 compartilharam com o Becquerel o prêmio Nobel de Física pela descoberta do radioatividade.

O nascimento de suas duas filhas, Irene e Eve, em 1897 e 1904 respectivamente, não interrompeu o intenso trabalho científico de Marie. Foi nomeada professora de Física na École Normale Supérieure para meninas em Sévres (1900), onde introduziu um método do ensino baseado em demonstrações experimentais. Em dezembro 1904 foi denominada chefe assistente no laboratório dirigido por Pierre Curie.

A morte repentina de Pierre Curie (19 de abril de 1906) era um sopro amargo para Marie, mas foi também um ponto de mudança em sua carreira:de agora em diante deveria dedicar toda sua energia para terminar sozinha o trabalho científico que tinham empreendido. Em 13 de Maio de 1906, foi denominada para o cargo de professora que tinha sido deixado vago pela morte de seu marido; era a primeira mulher a ensinar no Sorbonne.

Em 1908 transformou-se em Professora titular, e em 1910 seu tratado fundamental de radioatividade foi publicado. Em 1911 foi concedida o prêmio Nobel de Química, pelo isolamento do Radio puro. Em 1914 viu a conclusão do edifício dos laboratórios do Instituto do Radio (Institut du Radium) na Universidade de Paris.

Durante a primeira guerra mundial, Marie Curie, com a ajuda de sua filha Irene, dedicou-se ao desenvolvimento do uso do raio X. Em 1918 o Instituto do Radio começou a funcionar completamente, o qual viria a transformar-se num centro universal para a Física e a Química nucleares. Marie Curie estava agora no auge da fama, e, em 1922, como membro da Academia da Medicina, dedicou suas pesquisas ao estudo da química de substncias radioativas e das aplicações médicas destas substncias.

Em 1921, acompanhada por suas duas filhas, Marie Curie fez uma viagem triunfante aos Estados Unidos. Lecionou convidada na Bélgica, no Brasil, na Espanha, e na Tchecoslováquia. Foi membro da Comissão Internacional de Cooperação Intelectual pelo Conselho da Liga das nações. Além disso, teve a satisfação de ver a Fundação Curie de Paris desenvolver e inaugurar o Instituto do Radio em Varsóvia em 1932.

Em 4 de Julho de 1934, perto de Sallanches (France), Marie Sklodowska-Curie faleceu de leucemia, como conseqüências de sua exposição ao Radio, o mesmo que a fez famosa. O reconhecimento póstumo de Marie Sklodowska-Curie, talvez o mais importante, em 1995 o governo francês transferiu suas cinzas, junto com aquelas de Pierre, ao Pantheon em Paris, fazendo lhe a única mulher a ser reconhecida desta maneira por suas próprias realizações.


Inti has particularly liked this article

Comments
Inti
Inti
Superbe! Heureux de lire ton article car j'aime tellement cette grande dame!!!!
J'ai lu sa biographie, écrite par sa fille Ève Curie (Madame Curie)
3 years ago.