ARGUMENTAÇÃO/ DEMONSTRAÇÃO



Argumentação

Demonstração

Utiliza a retórica e a dialética;

É um cálculo formal;

É pessoal, dirige-se a indivíduos para obter a sua adesão;

Diz respeito à verdade de uma conclusão a partir das premissas com que necessariamente se relaciona;

É situada, já que o orador depende do auditório;

A prova demonstrativa é impessoal;

Persuadir outrem exige reconhece-lo como interlocutor, agir sobre ele intelectualmente e não pela força, tem de se ter em conta as reações para adaptar o discurso;

A sua validade depende das deduções efetuadas;

Não é um monólogo mas um diálogo;

É isolado do contexto;

Pretende um efeito imediato ou predispor a uma ação eventual;

É impessoal;

Utiliza uma linguagem natural que pode levar a equívocos;

Utiliza uma linguagem artificial;

Ao pretender a adesão a uma tese por parte do auditório, torna-se variável; assim a intensidade da adesão pode ser acrescida;

A sua linguagem, porque é formal, não conduz a equívocos;

O valor e a quantidade de uma argumentação não se pode medir unicamente pelos resultados, depende também da qualidade do auditório que se ganha pelo discurso.

A verdade é uma propriedade da proposição e daí que não haja variação de intensidade.

(no discurso argumentativo as duas complementam-se)