Hoje eu falava no Chico. Buarque. De ouvi-lo no iPod enquanto caminhava.
Não sei se por estar a caminhar, o facto é que fiquei por demais concentrada nas letras, e era de arrepiar. Canções lindas, arranjos perfeitos, perfeitos. Mas as letras, que letras! Desejei escolher uma (difícil escolher...) pra trazer como poema. Porque é o que elas são, poemas.

Trouxe esta aqui, mas com vontade de trazer muitas mais. Tantas Palavras.

Tantas palavras
Que eu conhecia
Só por ouvir falar, falar
Tantas palavras
Que ela gostava
E repetia
Só por gostar

Não tinham tradução
Mas combinavam bem
Toda sessão ela virava uma atriz
Give me a kiss, darling
Play it again

Trocamos confissões, sons
No cinema, dublando as paixões
Movendo as bocas
Com palavras ocas
Ou fora de si
Minha boca
Sem que eu compreendesse
Falou
c'est fini
C'est fini

Tantas palavras
Que eu conhecia
E já não falo mais, jamais
Quantas palavras
Que ela adorava
Saíram de cartaz

Nós aprendemos
Palavras duras
Como dizer perdi, perdi
Palavras tontas
Nossas palavras
Quem falou não está mais aqui